Tati Aponte

Em “Os Guardas do Taj” emoção e obediência conduzem a trama de Rajiv Joseph

O ano é 1648 e dois guardas imperiais estão fazendo a vigília do Taj Mahal.

O mausoléu, erguido pelo príncipe Shaj Jahan em memória de sua esposa preferida será, finalmente, revelado para a população de Agra, na Índia.

Inclusive para os dois jovens guardas que estavam proibidos de falar ou de observar o Taj Mahal antes da hora.

Ao amanhecer, aqueles que o construíram são convidados para conhecerem a obra finalizada.

E ali, dentro de uma das mais incríveis obras já criadas pelo homem, uma das maiores carnificinas da história é cometida.

Os envolvidos na montagem brasileira

Este é o pano de fundo da peça “Os Guardas do Taj” de autoria do dramaturgo americano Rajiv Joseph e que entrará em cartaz no Teatro Raul Cortez na próxima sexta feira, dia 13 de janeiro.

Os guardas imperiais são vividos pelos atores Ricardo Tozzi e Reinaldo Gianecchini, que está em sua melhor atuação.

A história de Rajiv Joseph já foi encenada em alguns palcos do exterior.

Dentre os quais, em teatros dos Estados Unidos e Inglaterra e por lá as montagens foram muito elogiadas.

Agora, chegou a vez do público paulistano conhecer esta excelente história, que tem a direção dos talentosos Rafael Primot e João Fonseca.

Enredo: Até onde devemos obedecer? Até quando devemos sonhar?

Babur (Ricardo Tozzi) é um Guarda Imperial de baixa patente.

Sua função é simples e sem nenhum glamour, um vigia noturno que monta guarda em frente ao Taj Mahal para evitar que quaisquer estranhos entrem na edificação.

Hamuyr (Reinaldo Gianecchini),  amigo de infância Babur é, também, vigilante noturno e juntos fazem companhia um ao outro.

A diferença que possuem? Suas personalidades.

Enquanto Hamuyr cumpre com extremo rigor suas obrigações, Babur deixa-se levar pelo seu lado sonhador e emocional.

Ambos desejam uma vida melhor, uma patente mais elevada no exército Imperial e demais regalias.

E para os dois a amizade que possuem é muito valiosa.

Mas suas diferenças começam a aflorar assim que praticam um ato desumano em nome do príncipe.

É uma excelente peça que traz uma reflexão extremamente atual sobre escolhas, poder, subserviência e, também, amizade.

Reynaldo Gianecchini e Ricardo Tozzi ( foto Francisco Cepeda/AgNews )

Por que ASSISTIR “Os Guardas do Taj”?

  1. A peça é muito bem feita, a trama bem costurada, não há enrolação desnecessária e os turns points são sensacionais;
  2. Os dois atores estão ótimos em cena, mas Gianecchini, realmente, está em sua melhor fase;
  3. Os figurinos da peça são muito lindos;
  4. As luzes e a trilha sonora conversam muito bem com a peça, é uma delícia assistir ao espetáculo com estes recursos tão bem executados.

Por que NÃO ASSISTIR “Os Guarda do Taj”?

  1. Se você não gosta de peças reflexivas, não vá. Você não está diante de uma peça de “entretenimento“, mas sim de uma verdadeira PEÇA DE TEATRO, daquelas peças que mudam sua perspectiva sobre a vida. Se sua pegada é mais descontraída, não é a peça ideal pra você.

 

Em suma, eu AMEI a peça! Adorei participar da conversa com o elenco, diretores e produtores, todos são muito simpáticos e fizeram uma montagem com muito carinho para nós.

Eles ficam em cartaz até o final de março aqui em São Paulo, depois daqui só Deus sabe!

Se você está aqui em São Paulo, não perca, não, viu?

Vale muito a pena!

Beijos!


OS GUARDAS DO TAJ
Teatro Raul Cortez (513 lugares)
Rua Dr. Plínio Barreto 285 – Bela Vista
Informações: 3254.1631

Sexta e Sábado às 21h
Domingo 18h

Duração: 75 minutos
Recomendação: 12 anos

Ficha Técnica:

TEXTO Rajiv Joseph
TRADUÇÃO E ADAPTAÇÃO Rafael Primot
DIREÇÃO Rafael Primot e João Fonseca
ELENCO Reynaldo Gianecchini e Ricardo Tozzi
MÚSICA ORIGINAL Marcelo Pellegrini
FIGURINO Fabio Namatame
CENÓGRAFO Marco Lima
VÍDEO PROJEÇÃO Estúdio Bijari
ILUMINAÇÃO Dani Sanchez
CENOTECNICO Fernando Brettas. Ono-Zone Estúdio
CENÓGRAFO ASSISTENTE Cesar Bento
PRODUÇÃO MUSICAL – Surdina
ASSISSTENTE DE PRODUÇÃO (ENSAIOS) Bruno Fagotti
ASSESSORIA DE IMPRENSA Daniela Bustos, Beth Gallo e Thaís Peres – Morente Forte Comunicações
PROGRAMAÇÃO VISUAL Vicka Suarez
ADAPTAÇÃO PROJETO GRÁFICO Erik Almeida
FOTOS PROGRAMAÇÃO VISUAL Fernando Torquatto
FOTOS DE CENA PORTUGAL Rogério Martins
FOTOS DE CENA BRASIL João Caldas Fº
ASSISTENTE DE FOTOGRAFIA Andréia Machado
MÍDIAS SOCIAIS: Dani Angelotti e Luciano Angelotti – Cuboweb
FILMAGENS E EDIÇÕES PARA WEB Jady Forte – Desteatrando
COORDENAÇÃO DE PRODUÇÃO Egberto Simões
PRODUÇÃO EXECUTIVA Martha Lozano
ASSISTENTE DE PRODUÇÃO Bárbara Santos
ASSISTENTE ADMINISTRATIVA Alcení Braz
ADMINISTRAÇÃO Danilo Bustos
IDEALIZAÇÃO: Rafael Primot e Enkapothado Artes
PRODUTORAS: Selma Morente e Célia Forte
REALIZAÇÃO: Morente Forte Produções Teatrais
PATROCÍNIO: Seguros Unimed

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados