Tati Aponte

“O Inevitável Tempo das Coisas” desfaz as ilusões conjugais

Não sei vocês, mas eu adoro ser surpreendida.

Eu NÃO esperava, mas a peça “ O Inevitável Tempo das Coisas” foi uma surpresa maravilhosa.

Que peça magnífica! Além de achar este título muito LINDO!

Há tempos eu não via uma história capaz de me deixar extasiada e desconcertada ao mesmo tempo.

Energias opostas, dualidade, yin-yang … Como diria uma amiga: é como levar um soco e comer um doce em seguida.

O texto de Wagner D’Avilla não é linear, mas a história dos protagonistas passa com exatidão a mensagem de que nem sempre estamos preparados para lidar com as incertezas da vida, nem com a natureza da dor.

“É inevitável, você precisa aceitar o fim”

Natallia Rodrigues e Pedro Henrique Moutinho

A peça conta a história de um casal que se apaixona de imediato.

Mas a narrativa não é cronológica e há recortes do presente, passado e futuro deste relacionamento no decorrer da peça.

A união, a filha, a traição, o acidente, a morte, o recomeço.

Cada um dos personagens comemoram ou lamentam, ao seu modo, o rumo que suas vidas tomam (ou já tomaram).

Eles imaginam como será o futuro ou como seriam suas vidas se as escolhas fossem diferentes.

E este tema, tão bem desenvolvido, que aproxima espectador e espetáculo.

Todos nós, de alguma maneira, gostaríamos de ter a oportunidade de reviver uma história.

Ou de não ter passado por uma determinada situação.

Também, ficamos entusiasmados ou com medo de uma situação nova que se apresenta em nossa vida.

Mas nós não temos o poder de voltar, tampouco de saber como será o futuro.

O que virá, não há como ser previsto.

E o que aconteceu, já passou.

Só nos resta aceitar o que houve, por mais cruel que a história possa ser.

“Minha vida parece um livro de 5ª categoria”

Natallia Rodrigues e Pedro Henrique Moutinho

Esta frase foi dita pela personagem defendida pela atriz Natallia Rodrigues.

A atriz está incrível na pele de uma mulher cheia de nuances.

Na hora que ela disse esta frase, consegui sentir a dor, a humilhação e a raiva que a personagem vivia naquele momento.

Segura, Natallia está plena no papel que lhe foi atribuído.

Pedro Henrique Moutinho é um ator incrível.

Mas o turn point que seu personagem passa, e que causa sufoco em quem assiste ao espetáculo, apenas ratifica a grandeza do seu trabalho.

Sobre a direção de José Roberto Jardim, posso dizer que está primorosa e este o texto de Wagner D’Avila está entre os melhores que eu já vi.

Todo reconhecimento para o vídeo cenário, luz, e som da peça, que imprimem uma qualidade ainda maior ao espetáculo.

Queria escrever laudas e mais laudas sobre o que vi, mas em respeito aos que ainda não viram, não me estenderei.

Mas quem quiser falar sobre a peça, pode me escrever! Acho que ficaria uma noite inteira falando sobre “O Inevitável Tempo Das Coisas“.

Assistam!!


O INEVITÁVEL TEMPO DAS COISAS 

Teatro Sergio Cardoso

Espaço Porão (40 lugares)

Rua Rui Barbosa, 153. Bela Vista

Bilheteria: 3288.0136

Terças, Quartas e Quintas às 20h

Ingressos:

R$ 40

R$ 20 (meia entrada)

Duração: 60 minutos

Recomendação: 14 anos

Gênero: Drama


Ficha Técnica

Texto: Wagner D´Avilla

Direção: José Roberto Jardim 

Elenco: Natallia Rodrigues e Pedro Henrique Moutinho 

Cenário e Vídeo-Instalação: Coletivo BijaRi 

Iluminação: Paula Hemsi

Figurino: João Pimenta 

Designer de Som: Gabriel D’Angelo

Visagismo: Dicko Lorenzo 

Produção Executiva: Marisa Medeiros 

Produção Técnica: Robert Litig 

Assessoria de Imprensa: Morente Forte

Fotografia: Felipe Watanabe

Designer Gráfico: Rodrigo Pocidônio

Realização: Estapafúrdia Produções

 

 

 

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados