Tati Aponte

Qual é o Filme da Minha Vida?

Quando eu vi a divulgação que o ator Selton Mello estava fazendo do seu novo longa metragem ” O Filme da Minha Vida” eu imaginei que a história seria muito similar a de “Cinema Paradiso“, onde os personagens possuem uma relação direta com os filmes e com o cinema da cidade, mas não.

O título tem conexão com a vida do protagonista Tony Terranova (Johnny Massaro) , o desenrolar da sua vida, suas descobertas e seu amadurecimento.

Como se a vida de Tony fosse, então, um belo filme a ser assistido.

Uma família morando na Serra Gaúcha nos anos 60

O filme tem três partes muito bem definidas e o começo mostra a relação de Tony com seu pai Nicolas (Vincent Cassel), sua mãe Sofia (Ondina Clais Castilho), sua ida à cidade grande para estudar e sua volta à Remanso, cidadezinha perdida no meio da Serra Gaúcha nos anos 60.

Achei o início um tanto quanto confuso e devagar. Não entendemos porque um pai tão querido, presente e que ama sua família simplesmente os abandona sem nenhuma explicação.

O primeiro diálogo entre Tony e Luna (Bruna Linzmeyer) também me deu uma preguiça…Ela falando de sonhos sem pé nem cabeça me deu um arrepio na espinha.

Os filmes de arte, onde estão os filmes que Selton Mello faz, dão ao espectador diálogos que não são diretos,  situações que estimulam o espectador a pensar e muita poesia, isto é louvável! É o diferencial entre filmes de arte versus filmes comerciais.

Mas colocar este recurso logo nas primeiras cenas de um filme pode causar um certo desconforto em quem assiste, e é o que acontece no início desta história.

Lá na frente entendemos os sonhos de Luna, e também se Nicolas é pai que o Tony diz, mas até lá ficamos a mercê de conversas confusas e um ritmo moroso da história.

Confesso que estava me desanimando MUITO com o início do filme, até acontecer o primeiro (de três) turn point da história…Claro que não irei contar, mas aquele começo devagar recebe uma carga eletrizante que faz com que nos ajeitemos na poltrona para ver até o final.

Lá vem o Paco, Paco aqui Paco acolá

Selton Mello é diretor e ator do filme, assim como ele já havia feito em “O Palhaço” de 2011.

Paco (Selton Mello) é um tipão rústico e sombrio. A cena dele conversando com os porcos nunca fez tanto sentido com um personagem que se identifica, de todas as maneiras, com aquele animal.

Ele mora em uma cidade que parece perdida no tempo, no entanto Paco dita os rumos da vida de seus habitantes sutilmente.

É preocupado com cada um, frequenta a casa dos amigos e oferece seu ombro (e um pouco mais) para dividir suas angústias.

Rolando Boldrin é o maquinista do trem que faz as viagens entre Remanso e as cidades vizinhas. Giuseppe é o personagem poeta do filme, os olhos que tudo vê, os ouvidos que tudo ouve, e que respeita a individualidade de seus passageiros dizendo a eles que tudo tem seu tempo.

Seus diálogos são lindos e tocam nossa alma, Boldrin arrebenta! Merecidíssimo este papel para uma pessoa que tanto fez pela cultura do Brasil como ele.

Vicente Cassel é aquele atorzão francês que você respeita

O cara é francês, ama o Brasil, é lindo e bom ator. Pronto, acabou. Ele reúne tudo que eu mais amo nessa vida (cultura francesa + atuação), é impossível eu não me apaixonar por Vicent Cassel!

Mas, fora meu ataque histérico de menininha tiete, eu acho Vicent um dos melhores atores que já vi e isso me faz admira-lo mais ainda.

Eu tenho verdadeiro pavor de atores que você percebe de imediato que ele está atuando, gosto de atores que vestem e respiram o personagem e Vicent dá vida a um Nicolas de maneira perfeita. Os olhos do ator dizem quando não se pode falar, os gestos de ternura ultrapassam as telas e tocam nosso coração de maneira ímpar, a ponto de provocar algumas lágrimas discretas nos olhos das almas mais sensíveis…

É um primor, um filme delicioso que atinge sua função por meio da atuação de bons atores, dentre eles Vicent Cassel.

Por que assistir “O Filme da Minha Vida”?

  • A história é muito boa;
  • O filme tem uns 3 turn points sensacionais, quando você acha que nada mais vai te surpreender, lá vem outra cena pra arrebentar seu emocional;
  • Tudo que parece sem pé nem cabeça no começo da história é explicado no decorrer do filme, nada fica sem explicação;
  • A atuação de todos os atores são maravilhosas! Todos, sem exceção! Ondina, Bia, Vicent, Selton, Bruna, Jonny, Marta….enfim, todos são impecáveis;
  • O filme é poético, delicado, fala de amor e decepções de maneira sutil e agressiva, quando necessário;
  • A trilha sonora é DIVINA! Deviam disponibilizar pra gente ficar ouvindo, viu? Uma playlist no spotify ia muito bem!
  • As cenas das Serras Gaúchas são lindas, parecem cenas de filmes europeus;
  • O filme faz com que a gente saia melhor do que quando a gente entrou, impossível não ficar feliz e acreditando que o mundo pode ser um lugar melhor;
  • Mensagem positiva da vida;

Por que não assistir “O Filme da Minha Vida”?

  • Se você é daqueles que vai ao cinema para se divertir e não quer pensar, não vá! Trata-se de um filme de arte e talvez você ache que ele é muito “chato”. Não é, só não é o seu tipo de filme;
  • O começo do filme é cansativo, sim;
  • Temos que entender que o filme está situado nos anos 60, onde a descoberta sexual masculina (que sempre foi socialmente aceitável) tinha uma importância gigantesca no crescimento do “homem” e isso é explorado no filme. É clichezão, eu sei, as cenas do prostíbulos são bonitas, mas muito vintage para a cabeça feminina de hoje e dia.

Reflexão

Sua vida, meu caro, se fosse um filme você veria? Assistiria ao filme da sua vida? Eu assistiria a minha…Acho que mudei tanto nos últimos anos que sou mais interessante hoje que antes e tenho muito orgulho dos caminhos que tracei. Como Tony, também me senti confusa no início, mas hoje as nuvens se dissiparam e aprendi muito como ser uma pessoa melhor.

Espero que vocês também gostem do filme de suas próprias vidas.

Beijos!

 

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados