Tati Aponte

Em “Fala Sério, Mãe!” Malu me conquistou

O título já anuncia qual será a dinâmica do filme.

Fala sério” é uma típica expressão adolescente que exprime toda a impaciência característica desta faixa etária.

O “Mãe” apenas orienta o público para onde será destinada a contrariedade da adolescente Malu (Larissa Manoela).

fala serio, mãe

Foto de divulgação do filme “Fala Sério, Mãe!”

Com este rótulo, estava segura que o filme cuidaria das chatices inerentes a idade da jovem protagonista.

Mas fiquei  surpresa com o que vi.

Malu é uma típica adolescente de classe média, mas diferente das meninas inseguras da sua idade, tem força, tem coragem, tem personalidade e é determinada.

Por experiência própria posso falar que foram poucas as meninas que conheci que eram como Malu, mas de longe foram as mais ricas companhias que tive nesse momento da vida.

Já falo aqui que gostei da história e da interpretação da Larissa Manoela.

No entanto, o filme desliza em um ponto fundamental nos dias atuais.

Não há diversidade racial no elenco do filme.

E confesso que isso me incomodou um pouco,sim!

fala serio, mãe

Foto de divulgação do filme “Fala Sério, Mãe!”

Sobre a filha ser mais interessante que a mãe

O que vou falar agora é uma coisa muito particular, sabe?

Cada um teve sua própria criação, mas vamos lá!

Quando eu nasci minha mãe tinha 40 anos e esta diferença de idade sempre foi muito difícil.

Além da distância de gerações, minha mãe é uma pessoa muito austera e fechada.

Com ela não existe este papo de “mãe-amiga“.

Aliás, esta é uma frase que eu cresci ouvindo: “eu não sou sua amiga, eu sou sua mãe” e ponto, não tinha conversa nem discussão.

Por isso, eu sinto um certo desconforto em ver uma mãe como a Ângela Cristina (Ingrid Guimarães).

A mãe descolada, hiper sufocadora, que quer viver a vida da filha e extremamente insegura me irritou mais do que me comoveu.

Em vários momentos eu fiquei com raiva de Ângela, mas, justiça seja feita, Ingrid Guimarães é uma excelente atriz que arranca boas risadas.

Pontos para o roteiro bem escrito!

Mas, pela fragilidade de Ângela, Malu cresce muito durante o filme.

Malu é um bom exemplo de adolescente

Vamos lá, alguns vão dizer: mas a personagem que ela fez é linear, não tem sobressaltos, não tem muita emoção, é muito blasé.

E aproveitam pra falar mal da atriz: ela é um mau exemplo, ela é sexualizada, ela namora demais, ela isso, ela aquilo…

Uma típica confusão que as pessoas fazem entre personagem X Larissa Manoela na vida real.

Não vou falar aqui do que acho da Larissa Manoela, mas sim porque a personagem Malu caiu no meu gosto, ainda que seja uma personagem mais calma e menos afetada das que ela geralmente faz na TV.

Você lembra da sua adolescência?

O filme mostra fielmente algumas situações que adolescentes de classe média passam entre seus 15 – 18 anos.

Prestem atenção na faixa etária que eu indiquei!! Não é um filme que vai abordar APENAS um primeiro beijo, ok?

Então, pensem antes de levar sua sobrinha de 8 anos pra ver o filme! Recado dado!

Particularmente, eu adorei ver Malu crescendo e a maquiagem no rosto dela ficando mais forte.

Gostei de vê-la andando em turma e viajando com amigos, como também achei legal ela ir atrás de um emprego, assim como eu também fui na mesma idade que a Malu tem no filme.

Achei legal o filme abordar, também, a queda nas notas de Malu e ela mudando de sala pra se afastar das más companhias…

Eu não sei se alguém já passou por isso, mas sair de uma sala, mudar de escola, de bairro etc pode ser uma mudança bem intensa em um momento da vida.

Destaco positivamente a personalidade de Malu:  uma menina lutadora, que sabendo de suas limitações se reinventa para enfrentar o mundo que se apresenta a sua frente.

Nos dias atuais, acho um bom exemplo sim para uma adolescente assistir “Fala Sério, Mãe!”.

O filme em nada tem a ver com os enredos teens minha época: o desespero da menina pelo cara que não a quer. (a maioria dos filmes que a gente viu na adolescência eram assim…pode perceber).

De novo, a única coisa que me incomoda em Malu, mas isso vem da minha própria criação, é a amizade entre mãe e filha.

Sei lá, existem coisas que eu JAMAIS falaria para a minha mãe…Mas cada um, cada um.

No geral, achei um bom filme!

E você? Já viu? O que achou?

Beijos

 

 

 

COMPARTILHE

Deixe seu comentário:

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts relacionados